sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

ISSU

Este mês fiquei a conhecer mais uma ferramenta da web que gostaria de partilhar convosco: http://issuu.com/
Com esta ferramenta conseguimos produzir documentos online com excelente aspeto, muito apelativo e por isso indicado para públicos-alvo muito diversificados.
A título de exemplo, e aproveitando para partilhar a experiência deste Natal nas minhas aulinhas, apresento a pequena revista online, minha mais recente obra no ISSU:
Link para a revista Atividades de Natal publicada no ISSU

A ferramenta é super fácil de trabalhar e dispõe de várias opções que tornam o produto final mais apelativo na web.
Boas explorações pelo ISSU!!

Brilha, brilha!


O que está tão alto para lá do nosso alcance, que nos atrai com um brilho fantástico e nos faz sair do lugar?
Há algo que nos move... a curiosidade, o desejo de mais, o brilho... Mais saber, mais poder, mais conforto, mais carinho, mais...
O que é a educação senão isso? O desejo de mais! Mais pessoas a saber mais e mais coisas para saber...
Este foi o vídeo que apresentei aos alunos de 2º ano, numa sala de aula às escuras e em silêncio. Num instante quiseram saber como cantar em inglês. Dei-lhes um papel com a música em português e em inglês, pois num instante quiserem saber mais e conseguir mais...
Elevar os seus conhecimentos até onde está a estrela!
Como se não basta-se, quiseram mais sossego, mais calma do que é habitual para conseguir ouvir e ver mais esta música. Mais...
E no fim de três vezes a ver este pequeno filme perguntaram "Não há mais?". Não havia...
Mas logo as suas cabeças pensaram em mais e cantaram outras músicas suas conhecidas para me mostrar que sabem mais do que eu lhes ensino... Sempre mais!
E eu logo pensei, como professora, "Tenho que os surpreender ainda mais para os acompanhar!". Sempre mais...
Desejo a todos um Bom Ano de 2012, com mais coisas boas do que nos anos anteriores! Sempre a caminho do seu próprio MAIS, qualquer que ele seja!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Cães especialistas

A intérprete está a falar em língua gestual inglesa, um pouco diferente da portuguesa.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Do something

A aventura começa quando alguém tem uma ideia e decide partilhar com amigos que conseguem juntar-se e pô-la em prática.
Este site que vos mostro é um bom exemplo de como a escola e a educação em qualquer contexto pode ser útil para tentarmos mudar o mundo.
http://www.dosomething.pt/
E quem disse que não é possível?
Pensando que jovens como estes são cada vez mais, penso que é possível, mesmo que seja devagarinho e apenas em certos lugares!

Celebrate Human Rights

Comemorou-se no dia 10 deste mês o Dia dos Direitos Humanos.
Conheci este site esta semana e decidi partilhar convosco, pois penso que deve ser de conhecimento geral: Office of the High Commissioner for Human Rights
Não precisamos ter os nossos direitos na "ponta da língua"! Isso seria mau sinal... Poderia querer dizer que recorremos a eles com frequência, alvo de situações menos próprias.
Mas pelo menos com este site sabemos o que encontrar e onde encontrar.
Como estamos na era da informação, mais um conhecimento não ocupa lugar, apenas alguns gigas no espaço virtual que nem sabemos quanto espaço tem...

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Gargalhada fácil

video
Para os alunos do 1º ano da AEC de Inglês escolhi este filme.
É impressionante como conseguem rir tão facilmente e com tão pouco.
Não foi necessário encontrar bonecos muito complexos.
Talvez pela simplicidade deste filme retirado do youtube, eles se tenham surpreendido e tenham-se identificado com os animais que para eles cantavam!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Não fiques na praia

Um momento relaxe!!!

Manta de retalhos


Hoje vi o filme “Onde reside o amor”.
Porquê um post sobre isto?
Porque me fez pensar nos retalhos que constituem a nossa vida.
Os vários campos e domínios complementam-se, enriquecem-se, dão vários caminhos que podemos escolher.
Essa escolha cabe a cada um de nós, não havendo caminhos certos ou errados.
Pegar em cada pessoa, naquilo que cada uma quer dar de si, e construirmo-nos a nós próprios e ajudar a construir o Outro.
É preciso coragem para enfrentar este desafio, escolhendo e não indo apenas com a maré...
Como alguém dizia “impele a tua própria canoa”.
(imagem retirada deste blogue)

Missão Sorriso

Já ouviram falar da Missão Sorriso do Continente? Se não, é uma boa oportunidade para isso.

Através do link http://missaosorriso.continente.pt/projectos.php ficamos a conhecer os vários projetos a concurso e qual a finalidade deste mesmo concurso.

Eu aproveitei e votei no Projeto "Link@-te" da organização "Saúde em Português", através no link http://missaosorriso.continente.pt/projectos.php?id=112

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Entrada na época natalícia!

video
Com a entrada no mês de Dezembro, marcamos também a entrada na época natalícia nas nossas aulinhas de inglês de 1º ciclo.
Foi este o vídeo que apresentei aos alunos do 2º ano.
Gostaram muito, principalmente por conseguirem acompanhar a letra lendo em inglês um pequeno papel que lhes dei, traduzido para português.
Isto parece tudo muito perfeito e uma atividade enriquecedora, mas não deixo de refletir sobre ela.
Porquê? Porque um dos alunos, muito desiludido depois do filme começar, comentou "Temos este filme no magalhães... É repetido!"
Apesar de terem gostado da atividade em si, a sua atenção não ficou cativada pela suposta inovação e criatividade que eu pensei que a atividade pudesse ter.
Em compensação, como já conheciam, facilmente aderiram e cantarolaram com orgulho por já conhecerem.
Lição aprendida: para preparar as aulas, será melhor conhecer todos os meios por onde andam estes meninos, para melhor chegar até eles e não ser apanhada de surpresa com algumas situações.

domingo, 4 de dezembro de 2011

III Concurso Nacional "Melhor Blogue de Animação Sociocultural 2011"


Já foram divulgados os resultados do Concurso Nacional "Melhor  Blogue de Animação Sociocultural 2011".
Muito obrigado a todos aqueles que votaram neste blogue, pois isso fez com que fosse o vencedor do concurso. :)
Admiro muito os blogues vencedores e merecedores da menção honrosa do júri, pois são um ótimo exemplo de animação sociocultural e de como promovê-la!
Parabéns a todos nós porque decidimos participar neste concurso de modo a partilhar com todos aquilo que temos para dar à sociedade, cada um à sua maneira.
Espero que esta iniciativa continue para os anos futuros, pois é uma boa forma de divulgar excelentes trabalhos individuais e coletivos.
Mais uma vez, a todos o meu OBRIGADÃO!! 

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Diagnóstico Nacional sobre a formação dos professores

Será isto possível?
Ou melhor... Irá mesmo acontecer?
Seria bom! Mas até que ponto estão dispostos a ir?
É que se calhar vão encontrar aquilo que não querem... Por exemplo, quando fiz o meu estágio pedagógico, a meio do ano o diretor da escola saiu do cargo porque não tinha qualquer licenciatura.
Era diretor da escola desde o 25 de Abril do ano que nós sabemos.
Até ao ano em que foi descoberto, todos o valorizavam pela sua longa experiência e pelo que fez pela escola. Depois de saberem que não frequentou qualquer curso superior, ficou sem funções na escola, mas era obrigado a estar lá todos os dias e continuava com o vencimento normal.
Ora, quantos casos há de pessoas que tiveram que "agarrar" as escolas na época em que se decidiu massificar o ensino, mesmo não tendo habilitações para isso?
Ficarei na expetativa!
E depois de saberem os resultados (mesmo que fiquem no segredo dos deuses, como muitas outras coisas ficam), o que irão fazer com eles?
O país tem dinheiro para formar adequadamente os professores?
E com mais formação irão querer aumentos ou ter direito a eles?
Do que estou a falar, ou melhor, a questionar?
Espreitem esta notícia:
http://www.ionline.pt/portugal/ministerio-da-educacao-investiga-curriculo-dos-professores?mid=53

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

"Voluntariado - Concurso de fotografia online"

Um título entre aspas, porquê?
Porque não foi escrito por mim, e sim pela ong "Saúde em Português".
Para saber mais, sigam o link http://solidariedadesemfronteiras.blogspot.com/2011/11/voluntariado-concurso-de-fotografia.html.
Boas inspirações! Pois decerto que muitos leitores deste blogue têm ou tiveram alguma experiência em voluntariado, nacional ou internacional, e que seria engraçado e bom para todos essa partilha de experiência.
;)

Medula: a fábrica da vida



Partilho este vídeo porque penso que pode ser visualizado pelas camadas mais jovens em vários contextos.

E disponibilizo estes links para ajudar a divulgar o que são as doenças da medula e o tratamento com transplante, para que os dadores fiquem esclarecidos.

Enviado por e-mail por Helena Alves - h.alves@chnorte.min-saude.pt, Directora do Centro de Histocompatibilidade do Norte - http://www.chnorte.min-saude.pt

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Ecos de EaD


Ecos de EaD é uma revista com uma única edição especial, feita por alunos do Curso de Formação de Formadores Online da Universidade Aberta, do qual faço parte.
Convido a explorar a revista, pois os artigos apresentados explicam vários conceitos muitas vezes incompreendidos por muitos.
Podem assim desvendar alguns supostos mistérios da Educação a Distância!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Sabes o que quero ser quando for grande?

Esta pergunta foi feita por um aluno, em contexto que nada estava relacionado com este tema.
Fiquei curiosa e quis saber... Por momentos fiquei sem palavras quando o aluno me responde:
"Quero ser futebolista!"
Até aqui tudo bem. Quantos meninos com 7 anos querem ser futebolistas? Muitos...
Depois, ele acrescenta:
"Mas, se partir uma perna, quero ser guitarrista!"
Aí já fiquei a pensar "Este menino já pensou em tudo!"
Quando eu ainda estava a pensar ele acrescenta:
"E se partir um braço quero ser pintor! Pinto como puder, mesmo sem braço e perna."
Pois... O que pensar nesta fase?
Pensei logo em fazer uma atividade relacionada com as profissões, explorando estes aspetos, pois parece que muito há a dizer!
Já não há apenas aquele pensamento "Quando for grande quero ser veterinário!".
As segundas alternativas já são ponderadas. Mas porquê que este menino só pensou que podia correr mal se partisse algum membro do seu corpo?
E o estar relacionado com artes e expressões? Será que ele precisa de espaço e quer oportunidades para se exprimir?
Nada melhor do que aulas de AEC (atividades de enriquecimento curricular) para que eles se exprimam, mesmo introduzindo palavras em inglês.
;)

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

This is Halloween

Seria um título engraçado para um texto sobre a experiência de não ter ficado colocada, mas tive a felicidade de ficar como professora de Atividades de Enriquecimento Curricular, mais conhecidas por AEC, de Inglês com alunos do 1º e 2º anos de escolaridade.
Ora, ensinar inglês a alunos do 2º ano por enquanto parece-me mais simples... Mas ensinar inglês a alunos do 1º ano que só agora aprenderam as 5 vogais e ontem já começaram a conhecer as consoantes... Dá que pensar!
E ao pensar, lembrei-me de lhes mostrar este musical sobre halloween, totalmente em inglês.
Para além de suscitar o interesse por ser um filme, o fato de estar em inglês exigiu deles um esforço enorme para ouvir e tentar imitar o que os bonecos iam cantando.
No final tive que passar novamente o filme, em todas as turmas de 1º e 2º ano. Notava-se a cara de receio em alguns deles, mas isso resolveu-se quando outros perguntavam "Isto é mesmo a sério?", sendo a minha resposta previsível...
Depois do filme, nada melhor do que conversar sobre as suas personagens dizendo o seu nome com a pronúncia em inglês e pintando um desenho com as cores características deste dia, também conversando sobre elas.


E assim vou aprendendo que, para além dos alunos esperarem das aulas de AEC um momento de descontração lúdica, ensinar inglês a esta faixa etária passa mais por conversações, visualização, audição e tato.

(Os desenhos foram retirados da Internet, numa escolha aleatória através do motor de busca google)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Magusto

Sendo os Escuteiros o meu contexto de aprendizagem preferido, não podia deixar de divulgar aqui o grande evento que se irá realizar no dia 12 de Novembro junto à paróquia de Cortegaça!
Teremos música e bailarico, jogos tradicionais, fogo de conselho e refeições e petiscos ao longo do dia, para vincar bem os ensinamentos que passam de geração em geração ao longo dos anos ;)
O convite está feito!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Ler para ver

Muitos são os sites, blogues ou outros, que se criam com a intenção de partilhar o máximo de informação (opinião ou não), tornando-os atrativos com imagens e vídeos.
Toda essa animação é bem vinda quando não há qualquer dificuldade de visão.
Mas torna-se frustante para quem cria, quando um cego ou amblíope não consegue tirar proveito o sítio online.
Em ambientes virtauis, o que importa é a qualidade do conteúdo ou a qualidade da imagem?
Se pensarmos só em quem não vê estaremos a colocar de parte quem vê, não proporcionando boas visões e até mesmo dificultando a leitura de alguns textos.
Então, qual é a melhor forma? Penso que seja o meio termo: criar espaços simples, respeitando as regras de acessibilidade e alguns conselhos que os próprios utilizadores vão dando.
Um site que penso ser interessante para quem quer tornar o seu sítio mais acessível é LERPARAVER, utilizado por visuais e invisuais, e por amblíopes.
Já tentaram perceber qual a melhor forma de facilitar a visão de um amblíope em ambientes virtuais?
Pois... Fui esclarecida por quem entende que não há um padrão fixo, pois cada amblíope tem a sua forma ideal, e mesmo essa vai-se alterando ao longo do tempo.
Por isso, resta-nos desejar que todos tenham tecnologia suficiente para chegar até o mundo virtual, que cada vez mais invade o mundo físico.

Animação Sócio-cultural

Partilha de jogos e canções entre bombeiros e escuteiros

Feira Medieval de Santa Maria da Feira

Grupo musical e dançarinas de Lichinga, Moçambique

Ocupação de Tempos Livres pelas Irmãs Teresianas em Lichinga

Grupo teatral de Lichinga

Campanha de sensibilização contra a SIDA, Lichinga

O que é?
Tal como muitos outros conceitos, a sua definição passa por vários aspetos, tendo como referência vários autores.
Foco principalmente a educação, a cultura e a sociedade.
Independentemente da localização geográfica, há atividades de animação sócio-cultural, pontuais ou inseridas num programa contínuo.
Estas fotografias são apenas exemplos de contextos onde a Animação acontece.

domingo, 2 de outubro de 2011

AMURT Portugal


"Projecto SOS Escolas foi lançado no ano lectivo 2010/2011, com o objectivo de promover o intercâmbio cultural entre escolas portuguesas e escolas de países em vias de desenvolvimento, fomentando a solidariedade e a tolerância entre povos.
Seguindo a visão do Projecto SOS -Adopção à Distância de crianças, o SOS Escolas pretende ajudar a suprir necessidades de escolas com dificuldades, contribuindo para o desenvolvimento pessoal e educacional das crianças e jovens que as frequentam. Estes, por sua vez, empenham-se em enviar notícias sobre a situação e evolução da escola, no sentido de reforçar a importância e o impacto da ajuda prestada.
Este é um projecto da AMURT Portugal, cuja missão é erradicar o ciclo de pobreza e desigualdade social de povos e populações carenciadas, com base na assistência humanitária de emergência, na satisfação de necessidades básicas, de educação e bem-estar social, bem como a capacitação de comunidades mais desfavorecidas para o desenvolvimento a longo prazo.
Procuramos o desenvolvimento total e harmonioso do indivíduo, fomentando relações de proximidade e contínua troca de conhecimentos e experiências."

Para saber mais sobre este projeto veja o site http://www.amurt.pt/ e o blogue http://sosescolas.wordpress.com/.
Esta informação foi retirada da newsletter enviada pela associação que solicita divulgação para outros professores e escolas.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Educação, um recurso para o desenvolvimento

A maioria das pessoas tem consciência que a educação é um recurso para o desenvolvimento quer individual, nos diferentes domínios, quer coletivo, da sociedade em geral, independentemente do país ou cultura.
Ao ler um artigo sobre isto, fui confrontada com dados que provam que ainda há raparigas adolescentes que abandonam a escola muito cedo para casar ou simplesmente porque a sua cultura não permite continuar num mundo que defendem ser para homens.
Estes estudos indicam também que são os países de 3º mundo ou em vias de desenvolvimento que têm maior número de raparigas adolescentes nesta situação.
O caminho que alguns países tomaram, incluindo as mulheres em profissões que só homens conseguiam atingir, levou ao seu desenvolvimento social e económico.
Desta forma, pensa-se que as restantes culturas e países que ainda não seguiram este exemplo, deveriam investir mais na mudança de mentalidades que permitisse que as raparigas adolescentes não fossem obrigadas a seguir um futuro que não desejam, abandonando a escola sem ter oportunidade de escolher uma profissão, ou sequer ter alguma!
Outras culturas há, como Moçambique na Província do Niassa pelo menos, onde esta regra não está instituída, mas subtilmente também reina, pois as raparigas são mães logo que lhes é possível (com a vinda da menstruação).
Penso até que será pior do que ter casamento prometido, pois naquele caso são mães cedo mas não casam, tendo filhos até de diferentes pais que não os reconhecem como filhos...
E ainda, para agravar a estatística, depois de serem mães, voltam aos estudos, indo até para o ensino superior mesmo depois de 3 ou 4 filhos que ficam com os familiares ou mesmo pela rua.
Desenvolvimento... Cada um desenvolve-se como mais convém a si e como lhe deixam desenvolver no seu meio.

sábado, 24 de setembro de 2011

Formiga muchém

Como referi quando voltei de Moçambique, vi coisas que me deram que pensar e muitas são as reflexões que vou tendo.

Uma das reflexões que gostaria de partilhar é sobre a formiga muchém (termo utilizado naquele país).

Para saber mais sobre elas, encontrei um site interessante http://www.matrixdedetiza.com.br/pragas.html (de onde foi retirada a fotografia das formigas). Fui procurar informação pois o que me contaram sobre elas deixou-me surpreendida.

Começando pelo facto de “o povo” as comer e as achar saborosas, o formigueiro também me deixou de boca aberta.

Estava um dia na casa que me acolheu em Lichinga, quando fui à sala e reparei que no buraquinho do chão que estava cada vez maior estavam umas coisitas a mexer. Aproximei-me e quando vi aqueles bichinhos castanhos, não maiores do que a unha do nosso dedo mais pequeno da mão, lancei a pergunta para o ar “O que é isto?”.

Ver todo o tipo de bicho na rua, até nem me surpreendeu, mas a casa ser invadida por bichos vindos de buracos no chão feitos por eles, isso era outra conversa.

Corri à vizinha do lado, expliquei-lhe a situação e depois dela verificar in loco o que se passava, explicou-me que aqueles bichos castanhos eram formigas muchém, que normalmente circulam em terra vermelha e costumam fazer os seus formigueiros furando até à superfície e fazendo “castelos” (termo utilizado por ela) que ficam duros como pedra e ganham as mais diversas formas.

Claro que esta última parte achei um exagero, mesmo vendo o buraco que elas fizeram no chão da sala... Até ao dia em que vi o formigueiro que está na fotografia que vos mostro, dia em que tive a certeza de que a descrição não era um exagero.

Sim, esta “coisa” pontiaguda é um formigueiro de muchém, que está ao lado de uma campa (os cemitérios não têm vedações).

Porque é que esta recordação me faz refletir?

Pois bem, depois de ter recebido o e-mail com o filme que vos mostrei em baixo, pensei logo nestas formigas...

Como é que as formigas, tão pequenas, em conjunto conseguem fazer esta obra tão grande e firme (eu experimentei destruir um formigueiro mais pequeno, sem sucesso) e manter a sobrevivência da sua espécie em terrenos tão vastos, e nós, num país tão pequeno, conseguimos fazer tanta confusão e conflito que em vez de construir para cima, andamos às voltas ao longo dos anos?

Faz-me lembrar conceitos como: colaboração, cooperação, caminhar e trabalhar para um bem comum...

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Portugal em crise

video

Mais uma vez, venho mostrar-vos um vídeo que circula pelo e-mail e que muito se identifica com a nossa situação atual enquanto país.
Os autores estão identificados no final do vídeo.
Esta mensagem circula acompanhada do conselho: Ouvir e refletir.
Sugiro o mesmo, mas não reflitam muito, pois a depressão é uma doença da moda, e sabe-se lá em que porta irá bater...

A Feira Popular Digital


Depois de alguns anos da trágica decisão (para alguns) de demolir toda a Feira Popular de Lisboa, única em todo o país, eis que surge a Feira Popular Digital do Centro de Competências da Universidade do Minho.
Não é a mesma coisa, claro! Nem o público-alvo é o mesmo. Agora é tudo muito... digital!
Mas porque não juntar mais do que uma criança e jogar em grupo? Pode ser que estimule aspetos nunca pensados para quem só vê o computador como uma máquina e algo isolado.
Já circulei pelos diferentes jogos e gostei do que vi e ouvi. Mesmo que soe a publicidade, cá fica a idéia para quem quiser aproveitar.
Fica aqui o link para quem tem turmas, filhos, sobrinhos, ou melhor, educandos a quem dar a oportunidade de tornar mais estimulante para o seu desenvolvimento cada visita à Internet.
Sei que há leitores do blogue que não têm educandos à sua responsabilidade, pois são eles os próprios. Para vocês é só clicar e entrar, com toda a segurança.
A Feira Popular

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Mais sobre o voluntariado

Como estamos numa maré de voluntariado ou, pelo menos, da sua promoção, deixo aqui a ideia de visitar Oliveira de Azeméis em meados de Novembro e aproveitar para espreitar o XIII Congresso Internacional de Animação Sociocultural "Voluntariado e Cidadania Ativa".
Para saberem mais deixo aqui o link: Congresso

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Vencedor "Blogue - Voluntariado para a Cooperação"

Direcionado para jovens estudantes, a Plataforma das ONGD lançou no início deste ano o concurso para o melhor blogue sobre voluntariado.
Os jovens que aceitaram este desafio foram avaliados quanto ao seu blogue e o resultado foi o blogue 8 sonhos... 8 metas... 8 realidades como vencedor, merecendo os restantes participantes um grande elogio sobre o seu desempenho e esforço.
Mais do que escrever sobre o voluntariado, mais do que ajudar os outros porque parece bem, este concurso talvez fosse para educar para a cidadania, de forma a que a nossa mentalidade vá mudando de geração em geração.
Não devemos pensar só na geração playstation como dependentes da tecnologia... Muito temos a aprender com eles!

Ano Europeu do Voluntariado


Gostaria de partilhar um evento em Aveiro que poderá ser interessante para quem se debruça sobre o voluntariado.
Através do link "informação sobre o encontro" conseguimos saber mais sobre o encontro.
Adianto que o título do mesmo é ENCONTRO "VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E PRÁTICAS DE CIDADANIA", que ocorrerá no dia 24 de Setembro, sábado, no Centro Cultural e de Congressos em Aveiro. Conta com a participação de instituições de voluntariado mas também de empresas como a Martifer e Pascoal e Filhos.
Este cruzamento de oradores poderá gerar um dia de esclarecimentos interessantes ou apenas mais temas de controvérsia...
Aqui fica a sugestão para quem possa interessar ;)

domingo, 11 de setembro de 2011

Professor eu?

Hoje deparei-me com esta citação "Rei eu? Como?! Eu também sinto dor, tenho anseios e necessito de amigos." da autoria de Shakespeare (1564-1616).

Mais à frente fui confrontada com o que acho ser de uma humildade que não significa desvalorização ou falta de dignidade, muito pelo contrário...

"Professor eu? Como ?! Eu também tenho dúvidas, muitas vezes não sei, e necessito muito de estudar."

Assusta-me um pouco quando um adulto que, entre os vários papéis que desempenha na sociedade, desempenha também o papel de educador, e insiste na ideia que se é educador dispensa bem a avaliação de outros e a continuação do desenvolvimento dos seus conhecimentos que levam a outro tipo de desenvolvimento e vice-versa.
Às vezes dou por mim a pensar qual é a melhor estratégia para um sucesso profissional: mostrar que sabe e fazer, fazer, fazer; ou deixar em aberto algumas janelas que ainda não estão prontas a ser fechadas (se é que algum dia estarão) e viver a profissão como algo enriquecedor e não como uma tarefa para a qual estudámos e sabemos como fazer.
Na educação a questão é ainda mais profunda, pois estamos perante a responsabilidade acrescida de "clarificação de valores", "educação para o caráter" e "educação para a justiça". Sobre isto, temos hoje a conhecida "Educação para a cidadania".
Estes conceitos são tão relativos e discutidos em áreas como a psicologia, filosofia e educação, que na minha opinião será difícil encontrar uma e única fórmula resolvente que tenha em conta estes contributos.
Mais do que um tema em estudo, é uma opinião de alguém que está num determinado local, num tempo específico e cultura singular.
Este tema é central no livro de Orlando M. Lourenço com o título "Desenvolvimento Sócio-Moral" (2002, Universidade Aberta), do qual retirei as expressões aqui citadas.

No meu tempo é que era...

É um mau título, assim como é uma frase um pouco feia de se dizer e meio caminho andado para que quem está na conversa se sinta desinteressado da mesma.
Principalmente quando recebemos e-mails com anexos como este que aqui partilho, cujo autor desconheço.


Engraçado que, ao fazer as contas ao tempo, as mães de que aqui falam criaram os adultos de hoje, que estão a governar e a dar vida ao país que temos hoje, qualquer que seja essa vida.
Para falarmos de traumas "melhores ou piores" devemos ver as duas partes de igual forma para uma comparação fiel.
Vale a pena desvalorizar os avanços dos estudos nas mais diversas áreas (psicologia, tecnologia, etc.), quando ainda não sabemos as consequências? Como por exemplo, a ideia de que os pais de hoje já não têm tanta tendência para proibições como "era antigamente". Isso é mau ou bom?
Acho estranho estes documentos que circulam, mas admito que são como este blogue: meras opiniões.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O site mais concorrido entre a comunidade docente... ou quase!


É fácil perceber qual é:

www.dgrhe.min-edu.pt

Segundo a comunicação social, amanhã serão anunciadas as colocações de professores.

Deduzo que milhares de pessoas estejam ansiosas, quer sejam os candidatos ou os seus familiares.

Existe mais ansiedade também pela falta de transparência a nível de datas e procedimentos, desde o concurso, contratação de escolas, bolsa de recrutamento e AEC, e talvez mais algum concurso o qual eu desconheço...

Mas atenção, não posso alegar que desconheço, pois a lei está disponivel para todos, assim como os contactos via e-mail, telefone, correio ou pessoal.

Confesso que este concurso é um verdadeiro teste à paciência e persistência dos candidatos.

Se por algum motivo um candidato a docente deixar escapar alguma data, não lhe prevejo grande sorte no concurso.

Com isto, temos vários cidadãos a passear com computadores ligados à internet, à espera que algo aconteça, como por exemplo, surgir vagas para AEC ou contratação.

Então, deviam estipular pré-requisitos a quem termina o curso superior e quer concorrer ao ensino: ter computador com ligação à internet.

Nos dias de hoje este meu comentário parece absurdo?

A mim não, pois ainda existem pessoas que nos passam despercebidas e não têm acesso a coisas que outros acham básico. Apesar de terem feito o curso recorrendo a estes meios, não deve ser dado adquirido que em casa têm acesso a eles.

Amanhã logo veremos as notícias, pois a comunicação social é quem mais divulga o que quer que seja...

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

III Concurso Nacional "Melhor Blogue de Animação Sociocultural 2011"

Se gostamos de escrever, porque não fazê-lo e torná-lo público?
Se há pessoas que gostam do que é escrito, mesmo que não comentem, porque não ir à censura para perceber o que pode ser melhorado?
E se surge um concurso mesmo à nossa medida?
Pois é, agarrei esta oportunidade e inscrevi este blogue no III Concurso Nacional "Melhor Blogue de Animação Sociocultural 2011", que me parece bastante interessante por vários motivos.
Para além da opinião que farão sobre o que escrevo, terei oportunidade de conhecer os outros blogues a concurso que serão certamente bastante interessantes e sobre temas que me suscitam curiosidade para futuras intervenções.
Convido todos a visitarem o site do concurso e a saber mais sobre ele:
http://melhorblogueasc2011.blogspot.com/
Espero que o visitem e se deliciem com as novidades que os outros concorrentes trazem consigo, sempre à volta da Animação Sociocultural.
Boas navegações!!

quinta-feira, 7 de julho de 2011

O regresso à minha normalidade

Pois é... Já em terras lusas mas ainda com muitos pensamentos por terras moçambicanas.
Lá ficaram as pessoas que lá pertencem, esperando mais um(a) professor(a) português(a), ou branco(a), como eles dizem.
Antes de mim e das minhas colegas, foram outras professoras. Agora chegou a altura de partir outra equipa com os mesmos objetivos de ajudar este povo da forma mais competente que conseguir, ou seja, educando.
Como já referi noutros post, questiono um pouco se esta será a melhor forma de os ajudar, ou até mesmo, se eles querem ser ajudados dessa forma.
Muito tenho que refletir sobre isso, pois nem tudo o que parece é. Já não vejo a dádiva de material escolar para os países de 3º mundo da mesma forma que via... Muito menos a roupa ou, pior ainda, o dinheiro.
Não digo que não se ajude como puder, mesmo que seja de forma egoísta, pois às vezes é apenas por motivos intrínsecos e não porque alguém nos pediu.
Como escrevi, muitas são as reflexões que pairam na minha mente que veio enriquecida, sem dúvida, mas também mais crítica e duvidosa.
Às que vão, deselho-lhes o mesmo que eu tive, que foi uma experiência cultural e humana extraordinária!
Aos que cá ficam, agradeço muito as ajudas que deram, pois sem vocês teria sido muito mais difícil.
De regresso à minha normalidade, pois em cada ser reside algo que para ele é normal e é em ambiente muito próprio que se sente bem e "em casa".

sábado, 11 de junho de 2011

Na avaliação qual é o “ponto”?

A avaliação é… Não sei se será possível começar a definição desta forma, pois a avaliação toma diferentes formas conforme o contexto e o objetivo.
Na verdade, penso que em todos os momentos estamos constantemente a avaliar. Uma mera observação sobre algo é um juízo de valor, uma avaliação mesmo que informal.
No contexto de ensino-aprendizagem escolar há momentos criados para formalizar a avaliação que se processa ao longo da formação.
É um instrumento para perceber se os objetivos são atingidos e de que forma, para melhorar a prática pedagógica e perceber o desempenho de cada aluno.
Ao longo da formação avaliamos esforço, evolução, reações, aprendizagens, comportamento e atitudes, resultados, pedagogia utilizada e todos os aspetos que acharmos pertinentes para um ensino (educação) eficaz.
Desta forma, vamos percebendo as dificuldades existentes, tanto de quem leciona como de quem aprende.
A avaliação toma assim diversas formas: diagnóstica, formativa e sumativa.
Coloquei por esta ordem, pois é a ordem pela qual é mais pensada. Mas esta distinção não confere a cada tipo de avaliação uma individualidade solitária, pois o diagnóstico só fará sentido se for seguido de formação e concretizado com a perceção da apropriação de todos os objetivos (soma), conhecidos por todos os intervenientes (transparência ).
Se todos estes aspetos ficarem esclarecidos de início, ou forem sendo esclarecidos ao longo da formação, à medida que surjam, talvez seja mais justo, pois o que se pretende é um juízo final justo e adequado à individualidade de cada aluno.
Então, “qual é o ponto?” Inicial, durante e final, com efeitos permanentes no sucesso das aprendizagens dos alunos e na prática pedagógica dos professores. No vídeo disponibilizado “O Ponto Avaliar” pergunta “O que acontece entre os pontos?”, ponto diagnóstico e ponto sumativo. Na tentativa de resposta incluo todos os aspetos que também são questionados no vídeo. Entre os pontos ensina-se, aprende-se, inicia-se, reinicia-se, finaliza-se, critica-se, reflete-se, vê-se como um todo que não será apenas a soma das partes, criam-se novos significados.

Bibliografia (documentos disponibilizados pela UC Avaliação das Aprendizagens)
Avaliação da Formação, ppt;
Rosado, A.; Silva, C.; Conceitos Básicos sobre Avaliação das Aprendizagens;
Avaliação das Aprendizagens, ppt;
Vídeo O Ponto Avaliar, In http://www.youtube.com/watch?v=-Qpq3dRXthE, acedido em 12 de junho de 2011.

Laços

Que ligações são estas que não são visiveis mas que se sentem fortes?
Mesmo com uma entrega total, há sempre algo de nós que fica ligado ao que somos, ao que vivemos, independentemente da geografia.
Os laços invisiveis trazem rasgos de lembranças de locais tão distantes, como que para lembrar que pertencemos a um sítio e a alguém.
Há dias em que sentimos realização profissional e pessoal, mas mesmo assim há uma parte vazia, que não faz sentido.
Seremos nós, humanos, eternos insatisfeitos?
Crescemos e evoluímos no sentido de criar laços que nos deixam de uma forma que nunca imaginariamos, os quais gostariamos de controlar? Se calhar é daí a insatisfação. A falta de controlo dos sentimentos.
Uma coisa agora eu sei...
É bom sonhar, é bom alcançar esses sonhos. Mas é ainda melhor termos com quem partilhar tudo isso.
Há quem não tenha isso e quem se enche de alegria com um pequenino gesto.
Aproxima-se a data de dar por concretizado este sonho, e eu tive a sorte de partilhá-lo, mas mais importante, tive a sorte de fazer pequenos gestos que encheram alguém de alegria.
A alegria de receber e a alegria de dar.
Tive a sorte de ver nascer sonhos e estar lá e dar oportunidade para que partilhassem esses sonhos.
Mesmo que nunca mais os volte a vêr...

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Mão-de-obra lúdica


Como uma das funções da escola é preparar para a vida quotidiana, estas crianças ajudam na preparação do milho que será utilizado para as suas papas e para venda, cujo lucro é para o sustento da escola.
Ninguém chamou estas crianças para trabalhar.
Como estavam na hora do intervalo, elas próprias repararam nos dois trabalhadores a arranjar o milho e decidiram ajudar.
É uma tarefa à qual estão habituadas, pois nos seus quintais é frequente haver pequenas plantações de milho.
Sujar as mãos? Não é motivo de alarme nesta terra.
Sentar no chão e sujar a roupa? Também não assusta, até porque o sábado de manhã é sempre para lavar a roupa à mão, toda a que se sujou durante a semana. Daí andarem tanto tempo sujos...

domingo, 5 de junho de 2011

Profissões

Para abordar um tema que parece simples, mas que neste contexto me pareceu uma oportunidade de criar sonhos e projetos de vida, propus uma semana completa de excursões.
Tenho consciência que em Portugal seria difícil ficar apenas a segunda-feira na escola, passeando os restantes dias...
Terça-feira foi o dia de maior impacto, pois fomos ao aeroporto, tão desejado pelos alunos. Quarta-feira fomos à Biblioteca, ao Posto de Correios e à TDM (Telecomunicações de Moçambique). Quinta-feira fomos ao Hospital e na sexta-feira fomos à Esquadra de Polícia.
Os alunos adoraram!
Comparando os desenhos feitos inicialmente com os desenhos feitos depois das excursões, sobre o que querem ser quando crescerem, percebemos que o que alguns pensavam ser sonho, talvez se possa tornar realidade, pois as pessoas que conhecemos eram todas moçambicanas e trabalhavam tão próximo deles.
Assim, se os sonhos destas crianças se tornarem realidade, teremos muitos médicos, bombeiros e pilotos, e as mais variadas profissões, sendo outra de destaque o de condutor de machibombo (autocarro).

Novo material

Depois de muito pensar, chegámos à conclusão que seria mais fácil e menos dispendioso perdir a um carpinteiro para fazer vários materiais manipuláveis que tanta ajuda dão no ensino da matemática, em vez de pedir a alguém de Portugal que enviasse.
Assim, a escola conseguiu adquirir ábacos e sólidos geométricos, estando já pedido também um geoplano, um mab e outros, numa carpintaria aqui mesmo em Lichinga. Ao irmos buscar o material já pronto, foi com orgulho que o carpinteiro nos veio apresentar a sua obra.
Ao apresentar este material aos alunos, conceitos como a soma de 10 em 10, dezenas e unidades, decomposição de números, foram finalmente compreendidos pela maioria dos alunos.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Dia da Criança

Chegou o dia tão esperado por todos!
As meninas foram ao salão para colocar as mechas, as trancinhas. Algumas fizeram em casa, mas o certo é que todas estão realmente bonitas, com as pedrinhas coloridas nas pontas!
Os meninos também estão bonitos, com a sua roupa nova e sapatinhos a rigor. Vemos alguns a passear de gravata e tudo!
É fantástica a dinâmica que se faz sentir nas ruas que começam a ficar cheias de crianças com cestos de comidas e esteiras para o chão. Todos se irão encontrar para festejar o dia, ou na respetiva escolinha ou nas praças e jardins públicos.
Aqui fica o filme da preparação das comemorações da Escolinha D. Luís Gonzaga, onde leciono.
Em vez de se comemorar hoje, a nossa festa será apenas no sábado, dia 4.
Filme - O projeto

domingo, 22 de maio de 2011

Colonialismo

Estou a ler um livro com o título "O Papalagui, discursos de tuiavii chefe de tribo de tiavéa nos mares do sul" e achei que uma parte se adequa ao que aqui se passou, em Lichinga, quando o colonialismo aqui chegou e tentou mudar mentalidades e formas de viver a vida. O livro foi escrito por um chefe de tribo sobre o seu olhar acerca dos europeus na Europa.
Partilho convosco:
Reconheçamos a incontestável felicidade do Papalagui, frustremos as suas tentativas de construir, ao longo das nossas margens banhadas pelo sol, os seus baús de pedra, e de destruir a nossa alegria com pedras, gretas, sujidade, barulho, fumo e areia, como é seu desejo fazer.

Papalagui quer dizer branco, os baús de pedra são as nossas casas e prédios, as gretas são as portas que temos para entrar em todas as casas e dentro das próprias casas, a sujidade é tudo o que podemos imaginar que vamos comprar aos supermercados e afins, o barulho é especialmente dos transportes e música de rádio.
Já não são tribos, mas a herança deixada pelo colonialismo não tem os efeitos que eram pretendidos. Deixou a memória de que são vistos como povo inferior, deixou a certeza que quem é alfabetizado é superior mesmo não sabendo em quê, deixou o desejo de sair daqui para viver como os europeus dizem ser melhor, deixou a vontade ficar cá e ser exatamente como são desde os primórdios sem evolução para o que não lhes interessa.
Terceiro mundo? Cada vez mais ambíguo este conceito...

sábado, 21 de maio de 2011

Agrupamento 1100 de Lichinga

Depois de muito procurar, lá encontrei os escuteiros de Lichinga, mais precisamente, do bairro Isinge (não sei se é assim que se escreve...).
Ficaram super contentes com este contacto e convidaram para passar os próximos sábados em actividades com eles para me mostrarem como são os escuteiros de Moçambique e para eu partilhar o que é ser escuteiro em Portugal.
Estou tão entusiasmada quanto eles, pois acho que o movimento escutista é uma escola de valores que fazem falta a todos, especialmente a populações como a de Lichinga, que ainda está em fase embrião, onde os jovens são incentivados a crescer numa sociedade que ainda não está preparada para os receber.
São escuteiros sem religião associada, sendo o agrupamento constituído por católicos e muçulmanos.
Uma nova experiência com a LEMO, Liga dos Escuteiros de Moçambique!
Aqui fica um site com alguma informação da LEMO
http://sites.google.com/site/scoutmoz/alerta/quem-somos-nos

Sobre o agrupamento 1100 de Lichinga, sei que foi fundado em 2000 e tem 150 elementos, mas que não aparecem metade para as atividades.
Quando souber mais coloco aqui a informação, para aqueles escuteiros que sei que têm interesse em partilhas destas, tal como eu!
Próximo sábado às 8h, temos uma caminhada de 3 horas, para mostrarem a sua terra.
Achei engraçada a primeira pergunta "onde acampam, no mato?", referindo de seguida os acantonamentos nas cidades, como se deduzissem que em Portugal há poucos locais de acampamento.
Será muito interessante para eles e para mim!

Resultados à vista

Depois de várias horas, a escolher, cortar, colar e pintar, começamos a ver os resultados dos preparativos para o dia da criança.
Nestas fotografias vemos os preparativos para a encenação das profissões, a pintura do cenário para o teatrinho "Branca de Neve e os Sete Anões", a preparação do narrador do teatrinho, e a Branca de Neve ainda sem cabeça e o coração do javali.
Para algumas pinturas utilizámos o exterior da sala. Um dos alunos não resistiu e pintou de verde uma parede azul da escola. Este comportamento menos próprio deu uma ideia que em princípio será realizada: a construção do mural do Dia da Criança. Assim, no dia 1 de Junho, logo após as apresentações teatrais e musicais, os alunos de toda a escolinha serão convidados a pintar o que quiserem, com a cor que quiserem na mesma parede onde este aluno pintou.
Espero que seja aprovada a ideia, pois parece ficar excelente pela criatividade dos meninos e meninas dos 2 aos 10 anos.

domingo, 15 de maio de 2011

Jogos tradicionais

Báu, mata, bola e carro de arame.
Serão menos felizes só porque não têm um brinquedo ou jogo não fabricado por eles?
Serão mais infelizes por saberem que existem objetos que eles não conseguem comprar mas conseguem fazer?

Jogos didáticos



Estes são alguns dos jogos que se encontram na nossa sala de aula, ao dispor dos alunos durante o intervalo.